FANDOM


Carregando o bolo

No mundo dos contos de fadas, todo mundo está acostumado que as histórias sempre permanecem as mesmas. Antes do meu primeiro dia de Ever After High, minha mãe - A Bruxa dos Doces de João e Maria - disse-me que o ingrediente secreto para passar direto pela escola sem problemas é: quanto mais mal você for, melhor. Mas eu não sou assim. Eu estava cansada das pessoas baterem na porta de nossa casa de doces e depois saírem correndo gritando BRUXA! BRUXA! A boa comida deve unir as pessoas. E isso é tudo que eu sempre quis fazer. E daí que eu estou destinada a ser uma vilã? Eu criei uma nova lista de ingredientes para que isso nunca se torne realidade. São eles: uma colher de sopa de "assustar as crianças me assusta", 1/2 de "reescrever a minha história", e uma colher de “açúcar para adoçar”.

Com certeza terá um sabor ousado, será que vai passar no teste de degustação?

Capítulo 1

Thump! Thump! Thump! Thump! Thump! 

O campo de croquet estremeceu quando o escritório com pernas de frango de Madame Baba Yaga surgiu nomeio da Floresta Encantada cambaleando em todas as direções. A porta se abriu, Senhora Yaga saiu na porta. "PARE!" ela gritou, e o escritório obedeceu.

"Desculpe, Senhorita Breadhouse. Ele está com medo que você vá transformar suas pernas em frango frito. Bem, entre."

Eu estava em apuros e o pior, eu sabia o porquê. Durante os Exames de Meio de ano, minha tarefa era fazer uma armadilha para Helga e Gus Crumb - os próximos Maria e João - e prepará-los para o guisado bruxa. Em vez disso, eu preparei um jantar com 5 tipos de comida, e agradeci-lhes por terem vindo depois de ve-lôs que tinham forrado as pancinhas.O escritório choramingou quando me aproximei da porta. Madame Yaga sentou atrás de sua mesa, ao lado de cara feia estava Helga e seu primo histericamente em soluços, Gus. Helga apontou um dedo acusador para mim.

"Você deveria ter colocado o Gus na gaiola!"

"Tudo o que eu queria era comer doces!" Gus engasgou entre soluços. "Agora nós farilamos e é tudo culpa sua!"

"Farilamos?" Eu perguntei, confusa com o seu sotaque.

"Falhamos", Senhora Yaga esclareceu. "Falha. Um grande F."

Eu parei de respirar. Por que eu não faço o que me mandam? Madame Yaga deu um sorriso com o canto do lábio. "Oh, ninguém falhou." Se eu pudesse respirar novamente. "Estes dois estão, na verdade, fora desse julgamento. A encenação indevida de João e Maria é inteiramente culpa sua, no entanto. O Diretor Grimm não queria que você tirasse 0. Queria mesmo era expulsá-la."

Minha garganta ficava cada vez mais apertada." Minha mãe vai me matar!" 

"Faz sentido. Ela é uma bruxa," Baba Yaga deu de ombros. "Você tem mais uma chance. Só que desta vez, eu vou interpretar Maria e o diretor vai interpretar João. E eu sugiro nenhuma gracinha." O que certamente seria uma receita para o desastre.

Capítulo 2

Naquela noite, eu não preguei os olhos. Eles doíam quando eu praticamente me arrastei para o refeitório e instintivamente murmurei o cardápio do café da manhã.

"3 biscoitos de bacon pouco cristalizadas com Maple, um Time Ice Cream em um cone de Waffle Wonderlandiano, por favor." 

Hagatha grunhiu, e jogou duas 2 colheres bem grandes de ovos mexidos encharcados de óleo em cima do hambúrguer borrachudo.

"PRÓXIMO!" 

Sentei-me à mesa no canto mais distante e comecei a temperar o meu café da manhã. Temperar alimentos sempre me ajuda a tirar a minha mente as coisas e me distrair. Depois de alguns minutos, eu quase esqueci que teria que fazer o reteste. Até que ouvi uma voz familiar de beija-flor, e um tilintar de asas de fada.

"Hey, Ginger!" disse Faybelle Thorn. A filha da Fada Má sentou no banco na minha frente. Ela não esperou ser convidada a sentar-se. Eu acho que você já nasce com uma personalidade territorialista quando você é a futura vilã da Bela Adormecida. "Então, entre você, os exames de meio de ano e Raven Queen, ‘eu acho que não serei a próxima rainha má... ’ que fiasco, é como se ninguém mais quisesse ser um vilão!" Os olhos de Faybelle escureceram. "Então, vamos ver... você é uma vilã ou não é?" 

Eu suspirei.

"Olha, eu só quero cozinhar." 

"Bem, boa sorte com isso.” Fay perversamente sorriu. "Seria uma vergonha se você reprovasse. Você nunca mais poderia cozinhar novamente."

Depois que ela voou para longe, eu não sei o que me deixou mais maluca: como ácidas suas palavras eram, e como eu sabia que ela estava certa.

Capítulo 3

O pensamento de nunca cozinhar novamente fez picar o meu coração como uma faca. Eu sabia que essa era minha verdadeira vocação desde o meu primeiro churrasco na Floresta Negra. Crescer na Floresta Negra não tem todo aquele glamour de um reino de conto de fadas, mas nada poderia vencer os nossos churrascos. Todas as famílias de “hallows” e casas vizinhas apareciam para os nossos famosos churrascos de Bruxa Candy. Mamãe e eu passávamos dias preparando todos os tipos de comidas deliciosas, de garras Wyvern no vapor, para bifes grelhados dragão, para salada de 3 feijões mágicos. Mas as minhas favoritas sempre foram as sobremesas. Eu sempre sonhei em ter meu próprio programa de culinária. Então, no churrasco, quando as pessoas comeram minha comida, eu saboreava cada elogio... "Isto está melhor do que no ano passado", e "eu preciso dessa receita.”. 

No entanto, eu também me sentia constantemente em conflito. Mamãe e a Senhora Thorn entraram em um jogo de se gabar sobre qual filha era melhor, eu ou Faybelle.

"Minha Faybelle já domina arte dos feitiços de fazer dormir. Já se passaram três semanas e ainda os guardas duendes não conseguiram acordar." Senhora Thorn disse orgulhosa.

"Bem, Ginger não só memorizou o livro de receitas da família, ela criou algumas novas guloseimas bem maléficas, também," mamãe gargalhou.

Na mesa das crianças, Faybelle e eu revirávamos os olhos e riamos delas. Mas aconteceu de novo no próximo ano, e no ano seguinte. Eventualmente, Faybelle tinha orgulho do legado de sua mãe de todo o seu coração. E me via constantemente como uma competidora, e não como uma amiga. Felizmente, havia outras crianças no da Floresta Negra, como uma menina tranquila de “Hood Hallow” chamada Cerise, que é agora um das minhas melhores amigas para sempre.

Capítulo 4

Ao longo dos dias que se seguiram, eu cozinhei sobremesas suficientes para alimentar um gigante. Mas, ao final de cada dia meu estoque de comida sempre parecia estar baixo. Alguém deve estar roubando comida pelas minhas costas. Então, no quarto dia, eu cozinhei “rosquinhas extra-pegajosas”. Elas estavam bem quentes, carameladas e levavam um feitiço que as comesse ficasse presa no mesmo lugar que o fez. Assim que a primeira fornada acabou de ser assada eu coloquei na janela para esfriar, e ouvi:

"Ei, Leggo!" 

"Peguei!" Virei-me. "Cerise?"

Cerise estava presa à janela. "Desculpe, elas tinham um cheiro tão bom. Eu não acho que você vá se importar se uma ou duas estiverem faltando." 

"Ou três... quatro ou dez...", eu ri, e peguei no refrigerador um sorvete descongelador. Cerise o devorou na hora, e, lentamente, foi descongelando. Era reconfortante conversar sobre o reteste com uma de minhas melhores amigas mais antigas. Cerise balançou a cabeça.

"Eu acho que é ridículo. Você deve ter permissão para fazer o que quiser" , disse ela, pegando uma rosquinha de chocolate. "Estas estão demais! Que tipo de feitiço você colocou nelas?" 

Eu provei um. "Elas são apenas rosquinhas comuns. As pessoas nunca enjoam delas." 

É isso! E corri para vestir o meu avental!

Capítulo 5

Embora as luzes do palco do Charmitorium estivessem bem quentes, eu estava com a mente fresca como hortelã para realizar o meu reteste. Talvez fosse porque eu estivesse preparada. Ou talvez tenha sido porque Diretor Grimm estava vestido com calças de couro iguais as de Gus.

"Você parece ridículo, Milton", disse a Madame Baba Yaga.

"Pelo menos eu fiz minha parte e estou a caráter!" o diretor balançou o dedo. "Você poderia ter, pelo menos, penteado o seu cabelo em um rabo de cavalo!" 

"Eu vou te dar um rabo de cavalo, se você não retirar o seu dedo da minha cara", os punhos de Madame Yaga crepitavam com energia mágica.

"Er, sim, bem... oh, essa é a minha deixa!" O Diretor Grimm pulou no palco. "Marrrria! Veja!", disse ele tentando imitar Gus horrivelmente.

Madame Yaga esfregou as têmporas quando ela entrou no palco, e em um tom monótono: "Olhe uma casa feita de doces Gus, espero que uma bruxa não more aqui."

E então interpretei o meu papel, assim como ele foi escrito. Eu prendi “João” em uma gaiola, e acorrentei "Maria" na parede. Então chegou a hora de colocar meu plano em ação. "Você deve comer, menino!" 

Eu deslizei uma bandeja com pilhas gigantescas das mesmas rosquinhas comuns que Cerise tinha amado em direção do Diretor Grimm.

"Infelizmente, a bruxa má dos doces não me dá escolha!" Interpretando exageradamente seu papel, o Diretor Grimm mordeu sua primeira rosquinha. "É... elas são muito boas na verdade", disse ele, saindo de seu papel de Gus.

"E essa torta de creme de mingau? Simplesmente deliciosa! E esta geleia de ‘wonderberry‘... preciso muito dessa receita!”

Não demorou muito e o Diretor Grimm tinha devorado toda a bandeja. Logo lhe servi outra, outra. E outra.

De repente, um estrondo alto sacudiu toda a gaiola.

"Desculpe-me. Heh." O Diretor Grimm inclinou-se, agarrando seu estômago. "Oh, não! Pausa para o pequeno diretor!" ele foi retirado da cela onde estava trancado interpretando Gus e saiu correndo mais rápido do que o nosso professor de Educação Física Senhor Gingerbreadman. Uma hora depois, o diretor ainda não havia retornado. Abri as algemas de Madame Baba Yaga para que ela pudesse ver como ele estava. Ela logo voltou, enfrentou a multidão e disse.

"Esse é o Final", disse ela. Eu tentei esconder meu sorriso enquanto a cortina se fechava.

Capítulo 6

Thump! Thump! Thump! Thump! Thump!

Escritório de pernas de frango de Madame Yaga, mais uma vez deu uma cambaleada em todas as direções.

"Ele ainda acha que eu vou transformá-lo em frango frito?" Perguntei.

"Agora ele está com medo que você vá alimentá-lo rosquinhas”, disse ela. "Isso foi um truque que você fez, não? Que tipo de feitiçaria que você usou? Algum tipo de feitiço de nunca mais conseguir parar de comer?" e apenas um olho dela arregalou-se.

"Nada de feitiçaria", eu disse.

"Então eu suponho que você premeditou tudo para que o diretor Grimm ficasse doente?" Nessa hora seu outro olho arregalou-se.

"Não, eu só queria fazer rosquinhas pra ele!" Eu respirei fundo. "Eu... Eu não quero ser uma vilã. Eu esperava que se Diretor Grimm amasse o que eu tinha cozinhado! Somente dessa forma, entendendo que eu sou boa nisso ele poderia deixar-me contar uma nova história. Uma onde a comida unisse as pessoas. Mas ele comeu demais. Foi um acidente." Eu suspirei. "Eu acho que eu vou arrumar minhas malas."

"Por que você faria isso?" Baba Yaga perguntou. "Você completou sua tarefa, embora o nosso 'João' não pôde terminar a sua encenação... Você passou em seu exame de meio de ano."

Aliviada, eu voltei para o meu dormitório. Assim que abri a porta, senti um leve toque no meu ombro. Faybelle forçou um sorriso.

"Parabéns ter feito o Diretor Grimm passar mal. E ter passado no seu exame de meio de ano. Tenho certeza que sua mãe vai ficar feliz."

Eu queria dizer a Fay como era triste pra mim quando deixamos de ser amigas. Mas depois eu pensei em meus verdadeiros amigos pensei em Cerise, e inesperadamente, eu me senti mal por Faybelle. Então, ao invés de dizer algo eu apenas sorri e disse: "Eu tenho certeza que ela vai ficar sim, e muito.”. 

Naquela noite, na sala de Prendas Domésticas, eu fiz o upload de meu primeiro Mirrorcast.

"Sejam bem vindos a Spells Kitchen, onde o ingrediente secreto para a felicidade é a boa comida. No episódio de hoje nós vamos aprender a cozinhar... rosquinhas!”

FIM